Contos em Pontos {artista}

Gente, bom dia!

Nada como bordar contos que percorreram nossa infância e com histórias que são contemporâneas ou atemporais. Estou maravilhada com os gráficos, ilustrações, pinturas desta artista italiana.

Me encheu os olhos quando achei seu trabalho e quero muito comprar pra bordar e assim, ver na parede do quarto das minhas filhas.

Alice no País das Maravilhas e Mágico de Oz entraram pra minha lista de próximos bordados, certeza!

A leitura em nossa vida é tão incrível que traz memórias, sensações e emoções que marcam pra sempre e acredito que isso tenha acontecido com Elisabetta, a artista em questão.

Vejam um pouco da bio dela e seus sites de trabalhos.

Bordem seus contos e me conta 😉

bjs

Vejam o perfil da artista, o que ela diz sobre ela no site:

Elisabetta Stoinich

Meu nome é Elisabetta, nasci em uma pequena cidade italiana perto do mar, mas atualmente moro em Milão.

Desde 2003, trabalho como ilustrador para as principais editoras italianas com especial atenção em capas de livros e ilustrações internas.

Por outro lado, sou muito eclética; publicidade, crianças e livros escolares, livros para adultos e videogames. Eu realmente gosto de trabalhar em muitas coisas diferentes, aprendendo os processos por trás da criação de cada produto.

Gosto de desenhar com lápis, tinta, lápis de cor e pastéis de óleo. Eu também gosto de pintar com acrílicos, aquarelas e cores de óleo, mas acima de tudo eu sou um artista digital com um bom conhecimento do Photoshop e Illustrator, ambos usados ​​diariamente no meu trabalho nos últimos 15 anos. No meu (muito pouco) tempo livre, adoro assistir filmes de arte, ler livros antigos e fazer malha de tricô.

Em 2013, abri uma loja Etsy com desenhos originais e pinturas inspiradas em meus clássicos favoritos da literatura.

http://www.mrspeggottyarts.etsy.com

Falando em literatura em 2016, fiz Wuthering Heights: Clássico para colorir, publicado pela Little Tiger Press e o calendário Masters of Literature 2017 publicado pela Orange Circle Studio.

De todas as minhas criações, as mais orgulhosas são minhas crianças Cosmo e Nova.

zombetty.com

Etsy – gráficos

 

Gráficos fofos para decorar {dica}

Gosto muito de gráficos simples, minimalistas e sem muita informação, ainda mais quando os desenhos são fofos e gostosos de se olhar, além de fáceis pra decorar. É muito difícil em ponto cruz, você achar um bordado que assim, mas finalmente achei.

Descobri a RingCat no Etsy e achei legal compartilhar com vocês. São ideias que podem virar quadrinhos para quartos infantis ou até mesmo “warning” para algumas ocasiões.

isla_280x280.25396292_5ewyppfj

Eles são pequenos, mas você pode escolher um etamine de pontos maiores ou ir para o linho pra que fique menorzinho. Depende da sua intenção.

A dona do perfil é a Monique, alemã, mora com 2 gatos, é geek, alternativa e criativa, diz de si mesma. Segundo ela, ama criar em cada minuto livre que tem, usando técnicas e materiais diferentes. Por causa disto, ela resolveu abrir seu canal no Etsy e divulgar os materiais.


Ringcat tumblr
Facebook
Etsy para comprar

Mandem fotos dos seus pontos pra gente 🙂
beijos

 

Origem do Ponto cruz {história}

Ponto de cruz é uma forma popular de bordado em fios contados na qual os pontos no formato de X. O artista conta as linhas da trama do tecido que deve ter a trama uniforme (como o tecido de linho) em cada direção, de modo que os pontos fiquem de tamanho e aparência uniformes. Esta forma de ponto de cruz é também chamado ponto de cruz contato, a fim de distingui-lo de outras formas de ponto de cruz. Por vezes, o ponto de cruz é feito sobre desenhos impressos no tecido; o artista simplesmente faz os pontos sobre o padrão impresso. O ponto cruz também é executado facilmente em um tecido de fios contados chamado de aida (etamine), de modo que as tramas do tecido não precisam ser contadas de fato.

História

O Ponto Cruz originou-se em uma época muito antiga, não existindo relatos precisos do surgimento desse bordado.

Alguns estudos indicam que seu surgimento ocorreu há pelo menos 5.000 anos e outros sugerem que o bordado apareceu com os homens das cavernas.

Acredita-se que o Ponto Cruz pode ter realmente surgido na era pré-histórica e serviria para que as vestimentas com peles de animais fossem costuradas.

Naquela ocasião, eles usavam o osso para fazer as agulhas e a linha era feita a partir de tripas de animais ou fibras vegetais, ou seja, o material disponível no momento.

Nos túmulos dos egípcios foram encontrados restos de linhos, que datam de aproximadamente 5.000 a.C, e que comprovariam que os antigos usavam esse tipo de ponto para cerzir Coser (parte gasta ou rasgada de um tecido) de modo que mal se notem as costuras, suas roupas.

O ato de realizar o Ponto Cruz se reduz a passar um fio de linha de bordar sobre o outro formando uma cruz e repetindo continuamente o movimento até formar um desenho.

Em 850 A.C, na Ásia Central foram encontrados trabalhos completos de Ponto Cruz.

Os motivos multicoloridos e sombreados como conhecemos hoje são um desenvolvimento relativamente moderno, decorrente de padrões sombreados semelhantes de trabalhos em lã de meados do século XIX em Berlim. Além de desenhos criados expressamente para o ponto de cruz, existem softwares que convertem uma imagem, pintura, ilustração ou fotografia em um gráfico adequado para bordar. Um exemplo impressionante está na reprodução em ponto cruz da pintura da Capela Cistina mapeada e executada por Joanna Lopianowski-Roberts.

Os primeiros materiais
No século 16, o bordado em ponto cruz era feito com fios de seda ou de lã sobre tecido de linho. A linha de algodão que conhecemos agora, praticamente não existia, e muito menos sua grande variedade de cores. Por isso, os monogramas não tinham a rica aparência que conquistariam posteriormente. Datam também desta época, os primeiros esquemas, impressos na Alemanha e na Itália, para serem vendidos em toda a Europa. Antes desta iniciativa, a única que se conhece é o livro publicado na França por volta de 1580, La Clé des Champs (A Chave dos Campos), trazendo motivos de flores e animais, além de temas de heráldica. Com os motivos impressos distribuídos largamente, o ponto cruz descobre uma nova vocação: além do uso pedagógico passa a ser adotado também como hobby. Sem dúvida, seu potencial de mercado logo foi notado e os produtores de material para bordar certamente sonhavam em poder oferecer novas cores de fios às habilidosas compradoras. Mas tiveram que esperar o próximo século para isso acontecer.

Atualmente o fio de algodão é a linha de bordar mais comuns. O fio é um fio de algodão mercerizado, composto por seis fios que são levemente torcidos juntos e facilmente separáveis. Embora existam outros fabricantes, as duas mais comuns (e mais antigas) são DMC e Anchor, ambas fabricam fios de bordar desde 1800.

Tendências

Ponto-cruz tornou-se cada vez mais popular com a geração mais jovem do Reino Unido nos últimos anos. A Grande Recessão, crise econômida de 2007-2008, tem visto uma renovação do interesse em artesanato. Varejistas tais como a John Lewis notaram um aumento de 17% de vendas de produtos entre 2009 e 2010. A Hobbycraft, uma cadeia de lojas de venda de materiais para artesanato, também tiveram um aumento de 11% nas vendas em relação ao ano passado.
O tricô e ponto cruz tornaram-se passatempos mais populares para um mercado de jovens, em contraste com a tradicional reputação de ser um hobby de aposentados.

Fontes:
Wikipédia, a enciclopédia livre.

Gráficos lindos e legais londrinos {gráficos}

Emma Congdon – Londres

Emma é uma designer multidiciplinar, assim como eu.

Já fez diversos trabalhos de direção de arte e design para marcas como Coca, Nestlé, Colgate, Olay, Oral B, Baileys, Smirnoff e várias outras, em disciplinas como marketing, trade marketing, retail…

E claro, tem um lado artístico que adora ponto crus e já fez alguns projetos na área para revistas nos EUA e Reino Unido.

Sua veia artística fez com que ela criasse o Stitchrovia, um subsite dentro do Etsy que vende seus gráficos lindos, coloridos e super de bom gosto.

Eu mesma já comprei um gráfico pra testar e, de fato, seus projetos são super didáticos, bem acabados e vale demais a pena.

Fica a dica pra quem quiser gráficos novos e inspiradores pra decorar a casa, o quarto.

Dá uma olhada em seu site profissional e o comercial com os gráficos.

EMMA CONGDON

ETSY – PARA COMPRAR

Depois me contem o que acharam e o que compraram 😉

bjs

Finalizando com acabamento {dicas}

Gente, este acabamento é incrível. Achei super bacana a maneira de finalizar o bordado e fica muito bem acabado. Dá um pouquinho mais de trabalho, mas fica impecável.

Siga os passos e faça o seu. Depois mande uma foto pra gente dizendo como foi.

bjs

LittleDorrit_3_1Primeiro, separe seu bastidor e use o anel interno, marque ao redor do seu feltro branco e, em seguida, do lado de fora no feltro que vai ficar atrás, exposto. Corte esses círculos.

LittleDorrit_3_2

LittleDorrit_3_3

Enrole seu bordado no bastidor com a costura bem colocada e o tecido suave e tenso (aperte o parafuso o máximo que puder!), Depois corte o tecido em torno de aproximadamente 5 cm maior que o aro. (Não se preocupe muito com o círculo perfeito, essas arestas serão escondidas mais tarde).

Vire seu bastidor e coloque o feltro branco dentro do aro interno, na parte de trás do seu bordado.

LittleDorrit_3_5

Ponha o fio na agulha, prenda um nó grande no final e comece a fazer o alinhavo. Faça uma costura ao redor da borda, então puxe-o com força, costurando um nó para fechá-lo. Mais uma vez, isso será coberto, portanto, a perfeição não é necessária, este passo é apenas pra segurar o tecido bordado.

LittleDorrit_3_6

Agora, costuraremos o nosso círculo de feltro maior na parte de trás, cobrindo todas as extremidades do fio e bordas em excesso no processo.

Passe em sua agulha duas linhas de fio de bordar, em seguida, coloque um pequeno ponto em seu tecido recolhido, saindo diretamente na borda.

LittleDorrit_3_7

Coloque seu círculo de feltro para baixo e comece costurando-o ao tecido cortado através de ambas as camadas, fazendo seu primeiro ponto a cerca de 0,5 cm de distância de onde você começou. Certifique-se de pegar seu fio sob sua agulha no caminho! Continue assim por toda a volta.

LittleDorrit_3_8

Quando voltar para o início, encontre-se com o seu primeiro ponto para criar um círculo contínuo, costurar um nó e depois enterrar a extremidade do fio sob o feltro.

LittleDorrit_3_9

LittleDorrit_3_10

E você está lá! Agora, sente-se e admire seu trabalho!

Fonte: http://www.sewmamasew.com/

Confeiteira de Ponto Cruz {arte & culinária}

Ana Elisa Salinas é formada em Desenho Industrial pela UFRJ, apaixonada pela arte e se juntou ao talento de sua mãe para transformar bolos em verdadeiras peças decorativas das festas.

Tem uma carreira incrível e invejável, detentora do selo internacional “Artist of Excellence” e tem seu nome entre os TOP 10 International Cake Artists. Lista seleta de profissionais escolhidos pela NY Cake Academy.

Em 2015 estreiou o Buddy no Rio: Uma Doce Viagem, ao lado do famoso confeiteiro Buddy Valastro, o “Cake Boss” pela Discovery Home&Health.

Além de ministrar cursos pelo Brasil a fora.

E claro, com toda essa pompa, este post tem a ver com nosso assunto. Dá uma olhada neste bolo “mara” que ela fez inspirado no Ponto Cruz.

 

Quero um pra mim 🙂

 

Confiram toda sua trajetória e redes sociais:

Site do Ateliê

Facebook da Ana

Instagram

Bom dia e de volta!

Hello a todos!

Fiquei fora, por fora, sem hora e com demora do site, do blog, do ponto cruz, dos posts e notícias, mas foi por uma boa causa: 2 crianças fofas e inquietas (ainda o são) e que me fizeram dar mais atenção a elas do que qualquer outra coisa no mundo rs.

Mas voltei e espero conseguir manter uma frequência de posts e novidades por aqui.
Please, não desistam do blog…

Sei que não respondi aos comentários, perguntas, mas cá estou.

Bora começar a semana?!